Nova pagina 2

 

 
Nova pagina 2

Principal   

Quem somos   

Últimas notícias   

Eventos   

Notícias da Saúde   

Artigos da Saúde   

Notícias da Enfermagem   

Vestibulares   

Instituições de Ensino   

Cursos e capacitações   

Concursos em Destaque   

Calculadoras   

Links Interessantes   

Terminologias   

Pesquisas e Estudos   

Biblioteca Virtual   

Enfermagem   

Biológicas e da Saúde   

Pós-Graduação   

Idiomas   

Áreas de Atuação   

Conselhos   

Enfer. em Saúde Pública   

Enfermagem do Trabalho   

Artigos   

Monografias   

Teses e Dissertações   

Leis,   
Decretos e Resoluções   

Código de Ética   

 
Nova pagina 2
   | 1 enfermeiros on-line

Concursos!  

  Notícias da Saúde
Prenateste monitora a saúde do bebê a partir da nona semana de gestação

A gestação é sempre uma emoção única na vida de toda a mulher. Mas além da alegria de gerar uma nova vida, há também as preocupações com a saúde do bebê. Alguns exames ajudam a deixar os pais mais seguros em relação a esse bem-estar. Para isso, o DLE, laboratório de referência em análises de triagem neonatal e investigação diagnóstica para erros inatos do metabolismo, desenvolveu o Prenateste. O exame pertence a um grupo de análises que leva o nome geral de “Testes Pré-Natais Não Invasivos”, também conhecidos como NIPT, com objetivo de avaliar a saúde cromossômica do bebê em uma fase inicial de gestação pelo sangue materno.

Por também analisar doenças neonatais, o exame pode ser confundido com o Teste do Pezinho. O diretor do DLE, dr Armando Fonseca, explica essas diferenças e destaca a importância da prevenção tão precoce a fim de preparar e informar os pais diante de alguma eventualidade com a saúde do bebê.

“O Prenateste tem a vantagem de monitorar a saúde neonatal de modo bastante precoce, já a partir da nona semana de gestação, tentando identificar informações precisas sobre alterações cromossômicas (aneuploidias) mais frequentes como Síndrome de Down (Trissomia do cromossomo 21), além de revelar o sexo do feto e casos de Triploidia. E, ainda, ele tem o benefício de não pôr em risco a vida do bebê nem a da mãe, pois a coleta é uma simples tomada de sangue da veia da mãe, como em exames de rotina. O Teste do Pezinho também analisa anomalias congênitas, mas é feito após as 48 horas de vida e de preferência até sete dias depois do nascimento. Os tipos de patologias avaliadas em cada teste também são diferentes, pois, enquanto o Prenateste avalia cromossomopatias, o Teste do Pezinho avalia, principalmente, condições ligadas a erros inatos do metabolismo”, esclarece o patologista clínico.

O médico do DLE reforça, principalmente, que o exame não substitui a orientação profissional recomendada durante a gravidez. “É importante lembrar que o diagnóstico precoce e o acompanhamento da gestação por um obstetra ou ginecologista são indispensáveis para a saúde tanto da mãe quanto a do bebê, já que essa triagem neonatal feita pelo Prenateste não detecta todas as doenças pediátricas metabólicas, endócrinas, hematológicas ou infecciosas. E a maioria dessas doenças pode trazer lesões permanentes e atraso no desenvolvimento infantil”, alerta o especialista em medicina laboratorial do DLE.


Fonte: RPM Comunicação


 Este conteúdo foi visitado 1204 vezes.  

<< Voltar para a página anterior...
Livros - Submarino.com.br
Nova pagina 2

Nova pagina 2
 
 
 


Acompanhe nosso RRS

 

 

 
Nova pagina 2