Nova pagina 2

 

 
Nova pagina 2

Principal   

Quem somos   

Últimas notícias   

Eventos   

Notícias da Saúde   

Artigos da Saúde   

Notícias da Enfermagem   

Vestibulares   

Instituições de Ensino   

Cursos e capacitações   

Concursos em Destaque   

Calculadoras   

Links Interessantes   

Terminologias   

Pesquisas e Estudos   

Biblioteca Virtual   

Enfermagem   

Biológicas e da Saúde   

Pós-Graduação   

Idiomas   

Áreas de Atuação   

Conselhos   

Enfer. em Saúde Pública   

Enfermagem do Trabalho   

Artigos   

Monografias   

Teses e Dissertações   

Leis,   
Decretos e Resoluções   

Código de Ética   

 
Nova pagina 2
   | 1 enfermeiros on-line

Concursos!  

  Notícias da Saúde
Escola de Enfermagem da UFMG comemora 80 anos

No dia 7 de julho deste ano a Escola de Enfermagem da UFMG comemora 80 anos de existência. Para celebrar essas oito décadas de ensino, pesquisa e extensão, será realizada no dia 9 de julho, às 18 horas, uma sessão solene no Conservatório UFMG.

Durante esses 80 anos, a EEUFMG incorporou ações que asseguraram uma sólida formação  de  profissionais e intensa atividade na área da extensão universitária e pesquisa, participando ativamente na construção do Sistema Único de Saúde (SUS).  Forma enfermeiros, nutricionistas e  profissionais para a gestão de serviços de saúde, em nível de graduação, além de mestres e doutores no Programa de Pós-graduação stricto sensu e especialistas de várias áreas da Saúde.

A comunidade acadêmica da EEUFMG é formada atualmente por 99 professores, mestres e doutores, 66 funcionários, 1.150 alunos matriculados nos três cursos de graduação, 648 alunos nos cursos de especializações presenciais e a distância, 58 no mestrado e 57 no doutorado. Foram defendidas 417 dissertações e 36 teses. Possui quatro departamentos – Enfermagem Básica, Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Enfermagem Aplicada e Nutrição. Por meio de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, a Escola de Enfermagem da UFMG assume, como compromisso primordial, contribuir para a melhoria das condições de saúde da população, em parceria com instituições da área social de Minas Gerais e organizações não-governamentais. Assim, prepara seus estudantes para a vida profissional, com ética, competência técnica e responsabilidade social, tendo reconhecimento nacional tanto nas atividades específicas, como na formação de recursos humanos.

Histórico

A Escola de Enfermagem Carlos Chagas (EECC) foi criada em 7 de julho de 1933, pelo Decreto Estadual n. 10.952, no Governo Olegário Maciel, como a primeira Escola de Enfermagem no Brasil situada fora do Rio de Janeiro. A criação foi fruto de uma iniciativa da Diretoria de Saúde Pública do Estado e da Diretoria da Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais.

Foi também a primeira escola estadual de enfermagem criada no Brasil e pioneira em diplomar religiosas.

Merece destaque o importante papel de Carlos Chagas, como incentivador da profissionalização da enfermagem no país. A modalidade externato foi a única opção para as primeiras alunas. Somente em 1935, a diretora Laís Netto dos Reys inaugurou o internato, em uma casa alugada pela Diretoria de Higiene na Rua Estevão Pinto, a Casa Amarela da Serra. O internato funcionou na Casa Amarela até 1954, exceto entre 1939 e 1942. No início, utilizava as dependências do Hospital São Vicente de Paulo e beneficiava–se de algumas disciplinas ministradas na Faculdade de Medicina.

Foto: Foca Lisboa

 

Sem uma sede própria, a EECC funcionou em várias localidades: no Hospital São Vicente, em um prédio da Rua Santa Rita Durão (1940), na esquina da Rua da Bahia com a Rua Bernardo Guimarães (1947) e de volta ao Hospital São Vicente (1949). De 1954 a 1960, o internato funcionou no prédio do Hospital da Cruz  Vermelha Brasileira, atual Hospital Semper, e em uma casa na Avenida Getúlio Vargas.

De sua criação até 1948, a EECC subordinava-se administrativa e financeiramente à Secretaria de Educação e Saúde de Estado de Minas Gerais.

De abril de 1948 a dezembro de 1950, esteve vinculada à Escola de Saúde Pública da Secretaria de Saúde e Assistência do Estado de Minas Gerais. A direção sempre foi exercida por enfermeiras. Da sua criação até junho de 1949, a Escola contou com diretoras laicas. De 1949 até março de 1967 a direção foi feita por religiosas.

A anexação e federalização à Faculdade de Medicina ocorreram em 4 de dezembro de 1950. Em 1957, iniciou-se a construção de um prédio exclusivo para a Escola na Avenida Alfredo Balena. Em 1962, ficaram prontas as instalações da administração, as salas de aula, a biblioteca e as dependências do internato, mas as obras só terminaram efetivamente em 1972.

A Escola alcançou o status de unidade autônoma integrada à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1968, passando a ser denominada apenas Escola de Enfermagem da UFMG.

No seu Jubileu de Ouro, a Escola deu início à constituição de parcerias com outras instituições e à organização de sua estrutura de pesquisa. Foi criado o Grupo de Apoio à Pesquisa (GAP), vinculado ao Núcleo de Assessoramento à Pesquisa (NAPq) e o Banco de Dados de Bibliografia Convencional da área de Enfermagem  (BDEnf), com coleta e indexação da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). O investimento na pós-graduação teve início com as especializações em Enfermagem em Saúde Pública e em Enfermagem Médico-Cirúrgica. A participação dos alunos, por meio do Diretório Acadêmico Marina Andrade Resende (DAMAR), junto a professores e funcionários, na luta pelos direitos civis e políticos dos brasileiros iniciou-se no final da década de 1960 e fortaleceu-se nessa década. A Escola participou ativamente da luta pela reforma sanitária no Brasil e de projetos e atividades para apoiar a implantação do Sistema Único de Saúde.

Em 1991, a Escola de Enfermagem da UFMG sediou o Programa de Desenvolvimento da Enfermagem (PRODEN), definindo, entre suas linhas de trabalho, a criação da Rede de Escolas de Enfermagem de Minas Gerais, que passou a integrar a Rede de Enfermagem da América Latina (REAL). O PRODEN tinha como objetivos possibilitar e incentivar o intercâmbio e a divulgação do conhecimento em Enfermagem na América Latina. Foram criados o Curso de Mestrado em Enfermagem, em 1994, e a Revista Mineira de Enfermagem (REME), em 1996. Um dos desafios da Enfermagem Mineira, tendo a EEUFMG à frente das propostas, foi o de desenvolver a Estratégia de Saúde da Família, que representou mudança importante no modelo assistencial brasileiro. Houve alterações críticas nos currículos dos cursos de Enfermagem, de especialização e de capacitação dos profissionais de saúde para responder aos novos tempos da organização dos serviços e da assistência em saúde no País.

O Século XXI trouxe o desafio de mais um curso de graduação na EEUFMG. O curso de graduação em Nutrição foi criado em 2004, exigindo expansão também do espaço físico da Escola. Em 2006, foi inaugurado um novo bloco (Sul) e revitalizada a fachada do antigo prédio, agora denominado Bloco Norte da Escola de Enfermagem. O Curso de Mestrado foi reformulado, tornando-se multiprofissional em 2004 e, em 2005, a pós-graduação se ampliou com a criação do Curso de Doutorado em Enfermagem, constituindo o Programa de Pós-Graduação. Em 2009,  mais um curso de graduação foi criado, no horário noturno, em Gestão de Serviços de Saúde.

O processo de estruturação da Escola como unidade acadêmica autônoma e de qualidade se consolida com o crescimento do ensino de graduação e pós-graduação, da pesquisa, e da extensão. Os novos cursos de graduação e pós-graduação têm crescimento constante. Surge a necessidade de novos espaços para abrigar laboratórios de pesquisa e de ensino. Assim, as comemorações dos 80 anos da EEUFMG são marcadas pela aprovação do projeto de construção de um novo prédio, em andamento.


Assessoria de Comunicação da Escola de Enfermagem


 Este conteúdo foi visitado 875 vezes.  

<< Voltar para a página anterior...
Livros - Submarino.com.br
Nova pagina 2

Nova pagina 2
 
 
 


Acompanhe nosso RRS

 

 

 
Nova pagina 2