Nova pagina 2

 

 
Nova pagina 2

Principal   

Quem somos   

Últimas notícias   

Eventos   

Notícias da Saúde   

Artigos da Saúde   

Notícias da Enfermagem   

Vestibulares   

Instituições de Ensino   

Cursos e capacitações   

Concursos em Destaque   

Calculadoras   

Links Interessantes   

Terminologias   

Pesquisas e Estudos   

Biblioteca Virtual   

Enfermagem   

Biológicas e da Saúde   

Pós-Graduação   

Idiomas   

Áreas de Atuação   

Conselhos   

Enfer. em Saúde Pública   

Enfermagem do Trabalho   

Artigos   

Monografias   

Teses e Dissertações   

Leis,   
Decretos e Resoluções   

Código de Ética   

 
Nova pagina 2
   | 1 enfermeiros on-line

Concursos!  

  Notícias da Saúde
Dietas fazem células do cérebro se canibalizarem


Canibalismo celular

Um estudo publicado na revista científica Cell Metabolism pode ajudar a explicar por que é tão difícil seguir uma dieta de emagrecimento.

Segundo a pesquisa, quando se passa fome, os neurônios responsáveis por regular o apetite passam a comer partes deles mesmos.

Os cientistas acreditam que isso aconteceria porque, após um período de jejum e o uso emergencial de reservas de gordura, o corpo receberia um sinal de que há uma falta de comida e faria com que as células se alimentassem delas mesmas.

Proteína que estimula apetite

Os experimentos realizados com camundongos em laboratório revelaram que o ato de "autocanibalismo" destas células gera a liberação de ácidos graxos, que por sua vez resulta em níveis mais altos de uma substância química no cérebro (a proteína agouti, AgRP) que estimula o apetite.

Um dos responsáveis pelo estudo, o pesquisador Rajat Singh, do Colégio de Medicina Albert Einstein, em Nova York, acredita que remédios que interfiram neste processo de autofagia das células do cérebro poderiam ajudar a tratar a obesidade, fazendo com que as pessoas sintam "menos fome e queimem mais gordura".

Segundo ele, quando a autofagia foi bloqueada nos neurônios dos camundongos, os níveis de AgRP não se elevaram em resposta à fome e os níveis de outro hormônio, o hormônio estimulante dos melanócitos, permaneceram altos.

Esta alteração na química do corpo levou os camundongos a ficarem mais magros, já que eles comiam menos após um período de jejum e gastavam mais energia.

Metabolismo dos lipídios

Por outro lado, Singh explicou que níveis cronicamente altos de ácidos graxos na corrente sanguínea, como acontece em pessoas com dietas ricas em gordura, podem alterar o metabolismo dos lipídios, "criando um círculo vicioso de superalimentação e equilíbrio de energia alterado."

O estudo também pode ajudar a explicar por que o apetite tende a diminuir com a idade, já que as células de um corpo mais idoso não conseguiriam realizar a autofagia tão bem.

Fonte: diariodasaude.com.br



 Este conteúdo foi visitado 1117 vezes.  

<< Voltar para a página anterior...
Livros - Submarino.com.br
Nova pagina 2

Nova pagina 2
 
 
 


Acompanhe nosso RRS

 

 

 
Nova pagina 2